Servidores defendem Abin e pedem proteção contra "governos mal-intencionados"

Por Redação em 28/01/2024 às 21:47:44

Israel viu com bons olhos a reunião deste domingo, 28, que tinha como tema central uma trégua nos combates na Faixa de Gaza, região assolada pela guerra desde o dia 7 de outubro, quando o Hamas atacou os israelenses. Segundo gabinete do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, o encontro foi "construtivo" apesar de ainda existiram alguns desacordos. Participaram do encontro chefes do Mossad (serviço israelense de intelig√™ncia externa) e do Shin Bet (serviço israelense de intelig√™ncia interna), indicou o comunicado. As partes "continuarão discutindo esta semana em outras reuniões". O diretor da CIA, William Burns, o primeiro-ministro do Catar, Mohammed bin Abdulrahman Al Thani, e um alto funcion√°rio eg√≠pcio também participaram das negociações, realizada em Paris.

O encontro entre as nações começou no s√°bado, e elas buscam avançar em direção a um acordo que inclua uma trégua nos combates e a libertação de reféns retidos pelo movimento islamista Hamas na Faixa de Gaza, segundo fontes conhecedoras. Na invasão do grupo isl√Ęmico, 250 pessoas foram sequestradas. Dessas, mais de cem foram libertadas no finam de novembro de 2023 durante uma trégua entre as partes envolvidas no conflito. De acordo com as autoridades israelenses, 132 permanecem retidas em território palestino e o governo acredita que 28 estão mortos.

A guerra, iniciada no dia 7 de outubro, colocou uma intensa pressão no governo de Netanyahu, que enfrenta pressão p√ļblica para conseguir a libertação dos reféns retidos em Gaza, onde as operações militares israelenses não dão trégua. O jornal "New York Times" informou que o acordo discutido em Paris aborda uma poss√≠vel primeira trégua de 30 dias que permitiria a libertação de mulheres e dos reféns mais idosos e feridos. Durante o per√≠odo, as duas partes negociariam uma segunda fase, que também teria duração de 30 dias e permitiria a libertação dos homens e dos soldados. Segundo o jornal, o acordo também incluiria a libertação de palestinos detidos em penitenci√°rias de Israel. A guerra deixou 1.140 mortos em Israel e 26.422 na Faixa de Gaza, sendo a maioria mulheres, crianças e adolescentes, segundo o Ministério da Sa√ļde do Hamas.

Apesar das negociações em curso, os ataques não param no enclave palestino. Neste domingo, tropas israelenses e combatentes do Hamas voltaram a travar intensos combates no sul de Gaza, o novo epicentro do conflito. O exército israelense indicou no 114¬ļ dia de guerra que ocorreram "combates intensos" em Khan Yunis, considerada um bastião do grupo islamista Hamas. Especificou que eliminou "terroristas" e apreendeu "grandes quantidades de armas". Pelo menos 24 pessoas morreram durante o dia nesta grande cidade do sul, incessantemente bombardeada pela aviação israelense, segundo o Ministério da Sa√ļde do Hamas, que governa Gaza desde 2007.

Esses novos episódios da Guerra no Oriente Médio acontecem em um momento em que os pa√≠ses cortaram o financiamento para a ag√™ncia de refugiados palestinos (UNRWA, sigla em ingl√™s) após revelações de que doze funcion√°rios estariam envolvidos no ataque contra Israel. A ONU disse investigar as acusações e pediu para que os pa√≠ses repensem suas decisões por a população de Gaza depende deste financiamento. "Dois milhões de civis de Gaza dependem da ajuda cr√≠tica da UNRWA para sua sobreviv√™ncia di√°ria, mas o financiamento atual da UNRWA não permitir√° cobrir todas as suas necessidades em fevereiro", disse o secret√°rio-geral da ONU, António Guterres. Com mais de 30 mil funcion√°rios, a UNRWA é a maior organização em Gaza fora do governo da Faixa, que é de fato controlada pelo Hamas desde 2007. A ofensiva israelense deixou mais de 26 mil mortos no enclave palestino, a maioria deles crianças e mulheres, e outros 64.487 feridos, enquanto os sobreviventes enfrentam uma crise humanit√°ria sem precedentes.

*Com informações da AFP

Fonte: JP

Comunicar erro
Radio Jornal de Caceres
InfoJud 728x90
Combate a dengue 2023