COI anuncia que equipe de refugiados irá competir na Olimpíada de Tóquio 2020

3

Equipe de Refugiados que disputou as Olimpíadas no Rio em 2016
Reprodução

Equipe de Refugiados que disputou as Olimpíadas no Rio em 2016

Durante reunião em Buenos Aires, o Comitê Olímpico Internacional – COI anunciou que montará uma equipe de refugiados para disputar a Olimpíada de Tóquio, em 2020. Será a segunda vez que os Refugiados poderão competir com a bandeira da entidade.

Leia também:  Depois de recorde, a surfista Maya Gabeira pode se aposentar. Entenda

O corredor Yiech Pur Biel, Representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados-ACNUR e que integrou a Equipe de Refugiados na Rio 2016 na prova de 800m do atletismo, estava presente no evento e subiu ao palco para discursar.

“É uma grande honra pra mim estar aqui. É uma oportunidade única de aproveitar o que já foi alcançado e ter uma segunda equipe olímpica de refugiados em Tóquio 2020”, disse ele. A equipe de 2016, que Biel fez parte, foi composta de dois nadadores, dois judocas, um maratonista e cinco corredores de meia distância, vindos da Síria, Congo, Etiópia e Sudão do Sul.

“Em 2016 a equipe capturou a imaginação de pessoas em todo o mundo e mostrou o lado humano da crise global de refugiados por meio do esporte. Estou muito feliz que esta tradição continue em Tóquio. Dar a esses jovens excepcionais a oportunidade de competir nos mais altos níveis é admirável”, disse o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi.

Leia também:  Para melhorar campeonato, clubes pretendem dividir renda na Holanda

A nadadora Ysra Mardini, Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, disse que a decisão desta reunião dará aos refugiados uma nova chance de sonhar. “Estou orgulhosa de ter representado a equipe olímpica de refugiados uma vez e estou muito feliz que uma equipe possa competir em Tóquio novamente”, disse ela. “Vou trabalhar o máximo que puder para ganhar uma vaga na equipe. Desejo boa sorte a todos os outros atletas refugiados do mundo ”.

O presidente do COI, Thomas Bach, também se pronunciou. ” Em um mundo ideal, não precisaríamos ter uma equipe de refugiados nos Jogos Olímpicos. Mas, infelizmente, as razões pelas quais criamos uma equipe olímpica para refugiados antes da Olimpíada Rio 2016 continuam a persistir “.

A ideia do COI de formar a equipe de refugiados era aumentar a conscientização sobre o assunto da imigração. Nesta semana, o Comitê também anunciou a primeira edição de Jogos Olímpicos na África . O evento voltado à Juventude acontecerá em Senegal, na cidade de Dakar.

Comentários Facebook