Calendario IPVA 2024

Moraes homologa acordo de delação premiada e concede liberdade a Mauro Cid, ex-ajudante de Bolsonaro

.

Por Redação em 09/09/2023 às 12:20:14

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes homologou neste s√°bado (9) o acordo de colaboração premiada do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

O ministro também concedeu liberdade provisória a Cid, com cumprimento de medidas cautelares, como uso de tornozeleira eletrônica, limitação de sair de casa aos fins de semana e também à noite, e afastamento das funções no Exército.

A homologação ocorre após o acordo de colaboração fechado com a Pol√≠cia Federal. A delação refere-se ao inquérito das mil√≠cias digitais e a todas as investigações conexas, como a investigação sobre a venda de presentes oficiais recebidos pelo governo Bolsonaro.

No inquérito das mil√≠cias digitais, a PF apura a exist√™ncia de uma organização criminosa que teria a finalidade de atentar contra o Estado Democr√°tico de Direito.

Mauro Cid est√° preso desde 3 de maio, quando foi alvo de uma operação da Pol√≠cia Federal que investiga a inserção de dados falsos de vacinação contra a Covid, no sistema do Ministério da Sa√ļde, de integrantes da fam√≠lia do ex-auxiliar e do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Desde então, ele também foi alvo de investigação por envolvimento na suposta venda irregular de presentes oficiais e joias recebidos durante o governo Bolsonaro.

Depoimentos e delação

A estratégia da defesa de Cid mudou em agosto, quando o advogado Cezar Bitencourt passou a represent√°-lo. Em entrevista à "Revista Veja", o advogado disse que o cliente assumiria que vendeu, nos Estados Unidos, joias recebidas pelo ex-presidente. E que fez isso a mando de Bolsonaro.

No dia seguinte, em entrevista à GloboNews, Bitencourt deu uma diferente e buscou atenuar o episódio da venda dos presentes presidenciais. O advogado negou que Cid iria "dedurar" Bolsonaro, ou que fosse fazer uma confissão, mas que prestaria "esclarecimentos".

No fim de agosto, porém, Mauro Cid prestou v√°rios depoimentos à Pol√≠cia Federal, em meio à negociação sobre a delação.

Em 28 de agosto, ele passou mais de 10 horas depondo na sede da corporação, em Bras√≠lia, no âmbito da investigação que apura a invasão do sistema do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pelo hacker Walter Delgatti Neto, para desacreditar o sistema judici√°rio brasileiro.

No final da tarde de quarta-feira (6), Cid foi ao STF confirmar a intenção de fazer a delação.

Quem é Mauro Cid?

Cid tem 44 anos, é tenente-coronel e filho de Mauro César Lourena Cid, general da reserva que foi colega de Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende, no sul Fluminense. O pai dele também é investigado por envolvimento no caso das joias.

O tenente-coronel foi escalado para a função de ajudante de ordens de Bolsonaro pouco antes da posse, em 2018, quando estava pronto para assumir uma função nos EUA.

Com uma sólida carreira acad√™mica, ele abriu mão de acompanhar a missão no exterior para assessorar Bolsonaro. Pela função, ganhava R$ 1,7 mil, mais o sal√°rio militar de R$ 26 mil.

Nos quatro anos de mandato, o "faz tudo de Bolsonaro" tinha funções que iam de ajudar em lives e filmar o "cercadinho" onde Bolsonaro falava com apoiadores na sa√≠da do Pal√°cio do Alvorada até a encaminhar pagamento de demandas particulares da fam√≠lia do ex-presidente.

Fonte: G1

Comunicar erro
Radio Jornal de Caceres
InfoJud 728x90
Combate a dengue 2023