Agro Noticia 728x90

Mesmo com vacina, vitória sobre coronavírus passa por 'mudança de comportamento social', diz presidente da Anvisa

Por Redação em 17/01/2021 às 13:22:14
Antônio Barra Torres deu declaração ao abrir reunião da Anvisa que analisa pedidos de uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19. VÍDEO: 'O momento é de conscientização, união e trabalho. O inimigo é um só', diz presidente da Anvisa

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, afirmou neste domingo (17) que, mesmo com o desenvolvimento de vacinas, a vitória sobre o novo coronavírus passa pela "mudança de comportamento social".

Barra Torres deu a declaração ao abrir a reunião da Anvisa que decidirá sobre o uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19 (leia detalhes mais abaixo).

"O momento é de conscientização, união e trabalho. O inimigo é um só. A nossa chance, a nossa melhor chance nesta guerra passa, obrigatoriamente, pela mudança de comportamento social, sem a qual, mesmo com vacinas, a vitória não será alcançada", declarou.

Desde o início da pandemia, a Organização Mundial de Saúde (OMS), autoridades sanitárias e especialistas recomendam como formas de evitar a disseminação ainda maior do coronavírus o uso de máscara; a higienização das mãos; o distanciamento social; e evitar aglomerações, por exemplo.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro critica o uso de máscara e participa de aglomerações, contrariando as orientações médicas.

Durante a reunião deste domingo, o diretor-presidente da Anvisa disse ainda que o sentimento é de preocupação e solidariedade às famílias das mais de 200 mil pessoas que morreram vítimas da Covid-19 no Brasil.

Barra Torres também mencionou a "gravíssima situação" do Amazonas, onde os hospitais estão superlotados e não há oxigênio suficiente para os pacientes.

Reunião da Anvisa

A Anvisa analisa neste domingo os pedidos de uso emergencial da Coronavac, apresentado pelo Instituto Butantan, e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford (Reino Unido), apresentado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Saiba quem são os diretores que vão tomar a decisão

Veja o raio X das duas vacinas analisadas

O pedido do Instituto Butantan, apresentado em 8 de janeiro, é referente a 6 milhões de doses importadas da vacina Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac. O instituto também desenvolve a vacina no Brasil.

Já o pedido da Fiocruz, também do dia 8, é referente a 2 milhões de doses importadas do laboratório Serum, da Índia, que produz a vacina de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca. A Fiocruz também desenvolve a vacina no Brasil.

Na sexta (15), o grupo farmacêutico União Química informou ter pedido à Anvisa a autorização para uso emergencial da vacina russa Sputnik V. O pedido foi devolvido pela agência por falta de "requisitos mínimos" e não é analisado na reunião deste domingo.

Fonte: G1

Comunicar erro
Coronavirus 728x90
InfoJud 728x90