MT realiza o maior pacote de infraestrutura do Brasil

Críticas ao Pix e exploração do "espaço sideral": conheça visões polêmicas de Marcio Pochmann, indicado para o IBGE

A escolha do economista Marcio Pochman para o cargo de presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) está cercada de polêmica.

Por Redação em 27/07/2023 às 20:48:44

A escolha do economista Marcio Pochman para o cargo de presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) está cercada de polêmica. Anunciado na última quarta-feira, 26, pelo ministro da Secretaria Especial de Comunicação, Paulo Pimenta, a decisão teve resistência da ministra do Planejamento, Simone Tebet, e de economistas mais ortodoxos. Professor de economia da Unicamp, que tem um viés mais heterodoxo, Pochmann é próximo ao PT e à Lula e já dirigiu o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), quando foi chamado de ideológico e intervencionista por seus pares. Com declarações polêmicas o economista já criticou o PIX e a reforma trabalhista e da previdência. Ele já defendeu um imposto de renda de até 60% e a exploração do “espaço sideral”. Confira abaixo algumas das principais ideias – e polêmicas – de Pochmann.

PIX

Mais de um mês antes de o Pix ser lançado, o que ocorreu no dia 16 de novembro de 2020, Pochmann lançou críticas à ferramenta de pagamento instantâneo. Em suas redes sociais, o economista afirmou, no dia 13 de outubro de 2020, que a iniciativa do Banco Central seria "mais um passo na via neocolonial" e uma "condição perfeita ao protetorado dos EUA".

Imposto de Renda de 60%

Quando presidente do Ipea, o economista defendeu uma a alíquota de 60% no Imposto de Renda para quem recebe mais de 50 mil. Segundo registrou o jornal "O Estado de S. Paulo", a declaração foi dada, em junho de 2008, durante participação de Pochmann na Comissão de Direitos Humanos do Senado.

Exploração do ‘espaço sideral’

Pochman já idealizou que o Brasil fizesse uma exploração ao "espaço sideral". Durante entrevista à Reuters, em 2021, ele argumentou que o país deveria desbravar frentes que não se dedica com afinco. "Brasil não tem GPS. Como podemos dizer que Brasil é país autônomo quando todo seu sistema de informação e comunicação vinculado ao espaço sideral, portanto à internet, depende de empresas que não são brasileiras?", afirmou.

Criticas às reformas trabalhista e da Previdência

Já neste ano, Pochmann criticou a reforma trabalhista, aprovada no governo Michel Temer, e a reforma da Previdência, que foi realizada durante o mandato do então presidente Jair Bolsonaro. Para ele, as mudanças da reforma trabalhista "colapsaram" o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) que está transferido "parte do que arrecada do PIS/Pasep para o pagamento das despesas previdenciárias".

Importância do IBGE

Responsável fornecer dados e informações do país, o IBGE coordena os sistemas de informações cartográficas e estatístyicas. Para Carla Beni, economista e professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a estatal é importante porque, com seus dados, as autoridades decidem “as políticas públicas com dotações orçamentárias para saúde e educação, que são feitas em cima do censo, principalmente, na parte do entendimento populacional que informa quantos habitantes tem naquela região. A partir disso você vai trabalhar com as esferas governamentais federal, estadual e municipal” afirma a pesquisadora. Para ela, a prioridade de Pochmann é “garantir a produção estatística do país dentro da instituição que é uma das mais importantes do país”. “O desafio desse novo presidente é fazer isso diante do desmonte orçamentário que o IBGE sofreu no governo anterior. Ou seja, voltar a fazer concursos públicos, fazer uma reposição do seu quadro de funcionários, ajustar o orçamento e dar um salário que se consiga fazer a manutenção dos agentes em campo”, pontua.

Já para Gustavo Cruz, estrategista chefe da RB Investimentos, Pochmann, à exemplo de países desenvolvidos, deve fortalecer o IBGE, a fim de diminuir às grandes desigualdades do país. “Alemanha e Estados Unidos não tiraram nenhuma relevância dos seus institutos de estatística porque é só com este órgão comprometido que você consegue realmente mapear para onde vai focalizar suas públicas. O que eu quero dizer com isso? Sabemos que o Brasil é um país desigual, que falta saneamento e tem muita precariedade na educação. Mas para onde vamos direcionar esses recursos? Sabemos que é no Norte e no Nordeste. Mas em quais regiões? Então, é importante você fazer o monitoramento correto das estatísticas, para que o dinheiro vá onde as pessoas realmente precisam”. Já para o operador de renda variável da Manchester Investimentos, André Luiz Rosa, a prioridade do presidente deve ser “a garantia da qualidade, precisão dos dados, investimentos em tecnologia para o ganho de eficiência, ampliação da transparência e principalmente, descoberta de novas necessidades juntamente com os setores públicos, privados e acadêmicos, para identificar áreas emergentes que necessitem de dados estatísticos e geoespaciais para apoiar o desenvolvimento do país”.

Sócio da Davos Investimentos, Marcelo Boragini pontua que a estatal precisa de alguém engajado politicamente para destravar o acesso às informações estatísticas e assim destinar os recursos de maneira correta. “O IBGE precisa de alguém com vontade de fazer e capacidade de mobilização política, ou seja, é politicamente que ele vai ter muito trabalho. Acho que vale lembrar que ter acesso às informações estatísticas e geográficas é indispensável para o planejamento e avaliação de um país. Dessa forma, o IBGE possui uma grande importância econômica e social”, pontua.

Fonte: JP

Comunicar erro
Radio Jornal de Caceres
InfoJud 728x90
Combate a dengue 2023
Garotas de programa Goiania