conecte-se conosco


Economia

Petrobras reduz o preço da gasolina nas refinarias pela quinta vez consecutiva

Publicado


Segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo) feito na semana passada, o preço da gasolina nos postos ficou em R$ 4,709 por litro, em média – mais de R$ 3 acima do valor praticado nas refinarias
Agência Brasil

Segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo) feito na semana passada, o preço da gasolina nos postos ficou em R$ 4,709 por litro, em média – mais de R$ 3 acima do valor praticado nas refinarias

Nesta sexta-feira (9), a Petrobras anunciou a quinta redução consecutiva – só nesta semana – do preço da gasolina em suas refinarias. Com o corte de 1,32%, o litro do combustível passará dos atuais R$ 1,6958 para R$ 1,6734 a partir de amanhã (10).

Leia também: Por que a queda do preço da gasolina nas refinarias não chega aos postos

Desde o início da semana, quando o litro do combustível era vendido a R$ 1,8466 nas refinarias, o preço da gasolina já acumila queda de 9,38% (cerca de R$ 0,17). O corte anunciado hoje é o 16º seguido desde 25 de setembro, quando o litro do combustível custava R$ 2,2514 – valor 25,67% maior do que o praticado atualmente.

O repasse desse reajuste aos consumidores, porém, depende de distribuidores, revendedores, da carga de impostos embutida e da mistura obrigatória de etanol anidro à gasolina vendida à população. Segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo) feito na semana passada, o preço médio da gasolina nos postos ficou em R$ 4,709 por litro.

Leia mais:  Juros do rotativo do cartão de crédito sobem em setembro e atingem 278,7% ao ano

A redução do preço da gasolina nas refinarias é justificada, segundo a Petrobras , pela queda nos preços do petróleo nos mercados internacionais. Nesta sexta-feira, o barril do Brent ficou abaixo dos US$ 70 pela primeira vez em sete meses.

Leia também: Petrobras lucrou R$ 6,6 bilhões no terceiro trimestre do ano

A estatal adota essa política de reajuste dos preços desde julho de 2017. De acordo com a metodologia, as mudanças podem acontecer mais frequentemente, inclusive todos os dias, e refletem os preços praticados nos mercados internacionais e a cotação do dólar. Desde então, segundo o jornal Valor Econômico , o preço da gasolina nas refinarias acumula alta de 27,51%.

Raio-X do preço da gasolina


De acordo com cálculos feitos pela própria Petrobras, os valores praticados nas refinarias equivalem a cerca de 30% do preço da gasolina pago pelos consumidores nos postos; outros 44% são formados por tributos
Marcelo Camargo/Agência Brasil

De acordo com cálculos feitos pela própria Petrobras, os valores praticados nas refinarias equivalem a cerca de 30% do preço da gasolina pago pelos consumidores nos postos; outros 44% são formados por tributos

De acordo com cálculos feitos pela própria Petrobras, os valores praticados nas refinarias equivalem a cerca de 30% do preço pago pelos consumidores nos postos. Essa porcentagem aproximada leva em conta a coleta de preços feita pela estatal entre os dias 28 de outubro e 3 de novembro em 13 regiões metropolitanas do País.

Leia mais:  Leilão para projeto da Ferrovia Norte-Sul deve ser feito em 2019, diz ministro

Outros 44% são formados basicamente por tributos. Destes, 29% correspondem ao ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), recolhido pelos estados, e outros 15% são relativos à Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e ao PIS/Cofins, de competência da União.

A diferença entre os impostos estaduais e federais está na forma com que são cobrados. O ICMS varia de acordo com o que é praticado nos postos, então cada vez que o preço da gasolina sobe, os estados arrecadam mais dinheiro. O PIS/Cofins e a Cide, ao contrário, são valores fixados por litro: o primeiro é de R$ 0,7925 e o segundo, de R$ 0,10.

Leia também: Petrobras faz acordo de R$ 3,4 bilhões para encerrar investigações nos EUA

Do restante do preço da gasolina , 12% correspondem ao custo do etanol anidro, que, segundo a lei, deve compor 27% da gasolina comum. Os últimos 14%, por sua vez, são relativos aos custos e ao lucro de distribuidores e postos. Há cerca de seis meses, essa fatia era de 12%, o que sugere um aumento de dois pontos percentuais na margem de lucro desses agentes.

*Com informações da Agência Brasil

publicidade

Economia

União já pagou R$ 3,5 bilhões em dívidas atrasadas dos estados neste ano

Publicado

por


Só no mês passado, o total de dívidas atrasadas dos estados quitadas pela União chegou a R$ 301,37 milhões. Deste montante, R$ 291,88 milhões são relativos a inadimplências do estado do Rio de Janeiro
iStock

Só no mês passado, o total de dívidas atrasadas dos estados quitadas pela União chegou a R$ 301,37 milhões. Deste montante, R$ 291,88 milhões são relativos a inadimplências do estado do Rio de Janeiro

Até o mês de outubro, a União já pagou R$ 3,575 bilhões em dívidas garantidas de estados e municípios, os chamados entes subnacionais. É o que consta no Relatório de Garantias Honradas pela União em operações de crédito divulgado na última sexta-feira (16) pela Secretaria do Tesouro Nacional.

Leia também: Tesouro vê risco de 14 estados quebrarem por excesso de gastos com pessoal

Só no mês passado, o total de dívidas atrasadas dos estados quitadas pela União chegou a R$ 301,37 milhões. Deste montante, R$ 291,88 milhões são relativos a inadimplências do estado do Rio de Janeiro e R$ 9,49 milhões de Roraima, os mais endividados do País.

Como garantidora de operações de crédito de entes subnacionais, a União, representada pelo Tesouro Nacional, é comunicada pelos credores de que o estado ou o município não realizou o pagamento de uma parcela de determinado contrato. Caso as obrigações não sejam cumpridas no prazo estipulado, a União quita os valores.

Leia mais:  Saraiva cita “desafios econômicos” e decide fechar 20 lojas

Os compromissos honrados pelo Estado nos dez primeiros meses de 2018 já ultrapassam os de 2016 e estão muito próximos de bater o valores de 2017. Nos dois últimos anos, o Tesouro pagou, respectivamente, R$ 2,377 bilhões e R$ 4,059 bilhões em dívidas de estados e municípios.

Leia também: Mais de 62 milhões de brasileiros estão inadimplentes, revela BC

As dívidas pagas pelo Tesouro Nacional são abatidas dos repasses da União a esses entes federados endividados. Normalmente, o estado ou município que teve alguma garantia honrada pelo Tesouro é descontado nos fundos de participação ou na cota de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que lhe é devida.

Sobre as obrigações atrasadas incidem juros, mora e outros custos operacionais. Em 2017, porém, algumas decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) impediram a aplicação dessas contrapartidas ao Rio de Janeiro , que aderiu ao pacote de recuperação fiscal e agora pode contratar novas operações de crédito com garantia da União mesmo estando inadimplente.

O caso do Rio, no entanto, é exceção. O estado de Minas Gerais está impedido de contrair financiamentos garantidos pelo Tesouro até 8 de agosto de 2019; Goiás, até 11 de setembro; Roraima, até 15 de outubro; e o Piauí, até 13 de setembro. A prefeitura de Natal está impedida de contratar novas operações de crédito até 23 de maio de 2019.

Leia mais:  Copom mantém Selic em 6,5% ao ano na primeira reunião após as eleições

Leia também: Economia tem crescimento de 1,74% no terceiro trimestre, aponta BC

Outros entedes federativos, como os estados do Rio Grande do Norte e do Amapá, além das prefeituras de Chapecó (SC) e Cachoeirinha (RS), também têm restrições de crédito com a União por causa das dívidas aque ainda não quitaram. 

*Com informações da Agência Brasil

Continue lendo

Economia

De olho no exterior e no próximo presidente do BC, dólar cai e fecha a R$ 3,73

Publicado

por


Em novembro, o dólar ainda acumula alta de pouco mais de 1%; neste ano, a valorização da moeda ante o real é de 14%
iStock

Em novembro, o dólar ainda acumula alta de pouco mais de 1%; neste ano, a valorização da moeda ante o real é de 14%

O mercado reagiu bem às expectativas sobre a trajetória dos juros nos Estados Unidos e à indicação de Roberto Campos Neto para a presidência do Banco Central (BC) no ano que vem. Nesta sexta-feira (16), a dólar caiu 1,28% e fechou o dia cotado a R$ 3,7372, 1,27% a menos do que o resultado registrado na última quarta-feira (14).

Leia também: Entenda o que afeta a cotação da moeda norte-americana no Brasil

Durante o dia, a moeda norte-americana chegou à mínima de R$ 3,7306 e à máxima de R$ 3,7825. No mês de novembro, o dólar ainda acumula alta de pouco mais de 1%. Neste ano, a valorização da moeda frente ao real já bate os 14%.

Influências do exterior


Na sessão desta sexta-feira (16), a cautela do mercado em relação ao Brexit também influenciou a cotação do dólar
Ilovetheeu

Na sessão desta sexta-feira (16), a cautela do mercado em relação ao Brexit também influenciou a cotação do dólar

Nos EUA, Richard Clarida, vice-presidente do Federal Reserve (ou Fed, o Banco Central norte-americano), declarou que a taxa de juros do país está próxima à neutralidade, entre 2,5% e 3,5%, e que o neutro “faz sentido”. Em 2018, o Fed já elevou os juros norte-americanos três vezes e, por ora, há muitas expectativas sobre um novo aumento em dezembro.

Leia mais:  Copom mantém Selic em 6,5% ao ano na primeira reunião após as eleições

Leia também: Após meses de discussão, Grã-Bretanha e UE chegam a acordo sobre o Brexit

Na sessão desta sexta, também predominou certa cautela em relação ao Brexit , motivada principalmente pelas declarações de Theresa May, primeira-ministra britânica, que garantiu se manter firme à saída do Reino Unido da União Europeia em março de 2019. Ontem (15), quatro ministros do gabinete de May pediram demissão de seus cargos por não concordarem com o acordo que está sendo firmado entre o país e o bloco europeu.

Presidência do Banco Central


Novo presidente do BC, Roberto Campos Neto será responsável pela política cambial do país, o que está diretamente ligado à cotação do dólar
Divulgação

Novo presidente do BC, Roberto Campos Neto será responsável pela política cambial do país, o que está diretamente ligado à cotação do dólar

Na última quinta-feira (15), feriado nacional, a equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), confirmou o nome do economista Roberto Campos Neto  para ocupar a presidência do Banco Central. Campos Neto substituirá Ilan Goldfajn, que está à frente do BC desde junho de 2016 e deixou o posto voluntariamente.

Leia também: Roberto Campos Neto é indicado por Bolsonaro para chefiar o Banco Central

Leia mais:  Copom mantém Selic em 6,5% ao ano na primeira reunião após as eleições

O economista de 49 anos de idade é neto de Roberto Campos, que foi ministro do Planejamento de Castelo Branco durante a ditadura militar. Atual responsável pela tesouraria do banco Santander, o indicado por Bolsonaro ainda terá que passar por uma sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado antes de tomar posse.

Como Paulo Guedes, futuro ministro do novo governo, Campos Neto tem perfil liberal e apoia medidas que restrinjam o tamanho do Estado. Formado em economia pela Universidade da Califórnia, nos EUA, e especializado em finanças, o novo presidente do Banco Central já ocupou funções nos bancos Bozano, Simonsen e Claritas.

Leia também: Banco Central reduz previsão de crescimento do PIB de 1,6% para 1,4%

O BC é uma autarquia ligada ao Ministério da Fazenda que também tem status de ministério. Caberá a Campos Neto zelar pela política cambial do país, o que está diretamente ligado à cotação do dólar , fixar a taxa Selic, regular o sistema bancário nacional e perseguir as metas de inflação fixadas pelo governo.

Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Polícia Federal

Mais Lidas da Semana