conecte-se conosco


Política Nacional

Bolsonaro confirma que vai acabar com o Ministério do Trabalho

Publicado


Presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), declarou que o Ministério do Trabalho será extinto em seu futuro governo
José Cruz/Agência Brasil

Presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), declarou que o Ministério do Trabalho será extinto em seu futuro governo

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou nesta quarta-feira (7) que o Ministério do Trrabalho será extinto no seu governo e que as funções da pasta serão incoporadas por “algum ministério”, mas não informou qual.

Leia também: Bolsonaro quer acabar com Ministério do Trabalho e redistribuir funções da pasta

A declaração sobre a extinção do Ministério do Trabalho foi dada após cumprir mais um compromisso de sua extensa agenda pública durante viagem à Brasília entre ontem e hoje, no caso, um almoço no Superior Tribunal de Justiça (STJ) oferecido pelo presidente do Tribunal, ministro João Otávio de Noronha, a ele e ao futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro.

O Ministério do Trabalho é uma das pastas mais antigas e tradicionais do governo federal e irá completar 88 anos de existência no próximo dia 26 de novembro, ainda antes do novo presidente eleito assumir e extinguir sua estrutura.

A eliminação dessa pasta, no entanto, vai ajudar o presidente eleito a cumprir uma promessa de campanha de reduzir o número de ministérios dos atuais 29 para “no máximo 15”. Depois, Bolsonaro voltou atrás e, ainda na semana passada, afirmou que manteria um número “entre 15 e 17” a partir de sua posse em janeiro, mas, com o  possível recuo sobre o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), o presidente eleito deverá ter, ao menos, 18 pastas. Sobre isso, declarou que “pode ser que aumente [o número de pastas]. O que precisamos é que esses órgãos funcionem sem interferência política”.

Leia mais:  A três dias da eleição, Bolsonaro recebe aliados e Haddad vai a atos no Nordeste

Leia também: Bolsonaro pondera ‘superministério’ e deve deixar CGU fora do alcance de Moro

Em nota divulgada ainda na terça-feira (6) quando a equipe de transição do governo de Bolsonaro começou a cogitar a possibilidade  de extinguir a pasta, o ministério afirmou que foi “criado com o espírito revolucionário de harmonizar as relações entre capital e trabalho em favor do progresso do Brasil” e que “se mantém desde sempre como a casa materna dos maiores anseios da classe trabalhadora e do empresariado moderno, que, unidos, buscam o melhor para todos os brasileiros”.

O texto divulgado pela pasta também destaca que “o futuro do trabalho e suas múltiplas e complexas relações precisam de um ambiente institucional adequado para a sua compatibilização produtivas, e o Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela Nação Brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros.”

Oficialmente, o ministério é o responsavél por elaborar políticas e diretrizes para a geração de emprego e renda, além da modernização das relações de trabalho. Fora isso, a pasta também é responsável por realizar a fiscalização dos postos de trabalho, participar da elaboração de políticas salariais e de desenvolvimento profissional.

Leia mais:  Bolsonaro confirma fusão dos ministérios da Agricultura e Meio Ambiente

Leia também: General Heleno confirma que assumirá o Gabinete de Segurança Institucional

Nesta área do Ministério do Trabalho , a principal proposta de Bolsonaro durante a campanha foi a de criação de uma nova carteira de trabalho “verde e amarela” onde o acordado entre patrão e empregado vai prevalecer sobre o legislado levando, porém, em consideração as cláusulas pétreas da Constituição que garantem alguns direitos trabalhistas.

publicidade

Política Nacional

Acumulou de novo! Ninguém acerta na Mega-Sena e prêmio pode chegar a R$ 37 mi

Publicado

por


Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis
iG São Paulo

Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis

Nenhuma aposta acertou as seis dezenas do concurso 2.097 da Mega-Sena , que foi sorteado em Nazaré Paulista, no estado de São Paulo, na noite desta quarta-feira (14), pela Caixa Econômica Federal. O prêmio acumulou e a estimativa é de chegar a R$ 37 milhões para o sorteio que será realizado no próximo sábado (17).

Ainda no mesmo sorteio da  Mega-Sena , 113 apostas acertaram a quina, levando cada uma o prêmio de R$ 25.984,88. Já a quadra teve 6.422 apostas ganhadoras, sendo que cada uma delas faturou um prêmio de R$ 653,17.

As dezenas sorteadas foram:

09 – 24 – 28 – 45 – 49 – 51

Para participar, é necessário realizar uma aposta mínima de R$ 3,50 em qualquer uma das 13 mil lotéricas espalhadas pelo País. Apostadores também podem entrar no sorteio pela internet – o valor mínimo para fazer uma compra pelo sistema online é de R$ 30 em apostas. O serviço do site funciona 24 horas por dia.

Leia mais:  Cenário é Bolsonaro eleito, dúvida vai ser a diferença, diz presidente do Ibope

Leia também: Caixa lança plataforma que permite apostar em loterias pela internet 

Saiba mais sobre as dezenas da Mega Sena e o concurso


Aposta mínima da Mega-Sena (seis números) custa R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer casa lotérica do País
Paulo Pinto/Fotos Públicas

Aposta mínima da Mega-Sena (seis números) custa R$ 3,50 e pode ser feita em qualquer casa lotérica do País

Esse é um concurso realizado pela Caixa Econômica Federal que pode pagar milhões ao apostador que acertar seis números, que são sorteados ao menos duas vezes por semana – normalmente, de quarta-feira e sábado. Ainda é possível ganhar prêmios menores ao acertar quatro (Quadra) ou cinco dezenas (Quina).

O próprio jogador pode escolher os números da aposta ou tentar a sorte com a “Surpresinha”, em que o sistema escolhe os números. É possível também concorrer com as mesmas dezenas por dois, quatro ou oito concursos consecutivos na chamada “Teimosinha”.

Os prêmios iniciais desta loteria costumam ser em torno de R$ 2,5 milhões para quem acerta  seis dezenas . O valor vai acumulando a cada concurso sem vencedor. Também é possível ganhar prêmios ao acertar 4 ou 5 números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para isso, é preciso marcar de 6 a 15 números do volante.

Leia mais:  Ibope: WhatsApp tem pouco peso na eleição e afeta Bolsonaro e Haddad por igual

Leia também: Veja casos da Mega-Sena que foram parar na Justiça

O prêmio bruto da Mega-Sena corresponde a 46% da arrecadação. Dessa porcentagem, 35% são distribuídos entre os acertadores das seis dezenas da Mega-Sena sorteadas, 19% entre os acertadores de cinco números (Quina), 19% entre os acertadores de quatro números (Quadra), 22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos seis números nos concursos de final 0 ou 5 e 5% ficam acumulado para a primeira faixa (Sena) do último concurso do ano de final zero ou 5.

Continue lendo

Política Nacional

Dr. Rey se diz “humilhado” e lamenta ter ficado de fora do governo Bolsonaro

Publicado

por


Dr Rey foi ignorado ao visitar Bolsonaro para se oferece para o cargo de ministro da Saúde
Reprodução/Twitter

Dr Rey foi ignorado ao visitar Bolsonaro para se oferece para o cargo de ministro da Saúde

O excêntrico cirurgião Dr. Rey, vice-presidente nacional do PEN, lamentou por ter ficado de fora da equipe do governo do presidente eleito , Jair Bolsonaro (PSL), e se disse “humilhado”. 

“O Brasil escolhe modelos pornô, palhaços e funkeiros para serem deputados. Eu queria, como direita, participar e criar um grande Brasil. Fiz o máximo possível, até me humilhei e fui lá…”,  reclamou  Dr. Rey , lembrando de visita feita na semana passada à casa de Bolsonaro, no Rio de Janeiro. O cirurgião acabou não sendo recebido.

“Eu tô numa era da minha vida que eu quero prestar serviços à minha nação. Os mórmons me ensinaram: ‘Deus, Família e Nação’. Eu sei que o brasileiro não entende patriotismo. Mas eu fui criado aqui nos Estados Unidos. O meu sonho era ajudar minha nação natal. Se minha nação natal não me quer, não tem problema. Eu vou servir a nação que me adotou”, declarou o cirurgião em vídeo publicado pelo jornal Extra .

Criado nos Estados Unidos (filho de uma brasileira e um americano), Roberto Miguel Rey disse que a Marinha americana está “pedindo de joelhos há anos” que ele se junte à instituição como capitão cirurgião. “Irei com uma lágrima no meu olho, porque eu queria participar no Brasil. Ou eu ajudo o Brasil, ou eu entro para as Forças Armadas americanas”, ameaçou.

Leia mais:  Cenário é Bolsonaro eleito, dúvida vai ser a diferença, diz presidente do Ibope

Leia também: Bolsonaro se aproxima do DEM e deve nomear terceiro ministro do partido

O cirurgião, que estrelou reality show na televisão, fez questão de exaltar sua carreira e assegurar que “não precisa de dinheiro brasileiro”, “Eu tive muito sucesso mundo afora. Não preciso voltar para o Brasil e ser humilhado. Fiz meu curso em Economia e CIências Políticas só para voltar para o Brasil. Não preciso de dinheiro brasileiro, eu tive muito sucesso.”

Em novo vídeo publicado nesta quarta-feira (14) em suas redes sociais (veja ao fim desta matéria), Dr. Rey baixou o tom de seu discurso e ponderou que ainda quer “servir a nação”, mas que, se não puder, “não tem problema”.

“Queria dar parabéns à nossa pátria que finalmente escolheu um governo conservador. Amo o presidente Bolsonaro . Vai ser um grande sucesso. Espero poder servir nossa nação, mas se não puder servir também não tem problema. Seremos um grande pássaro fênix saindo das cinzas da esquerda”, disse o cirurgião em frente ao espelho de uma academia.

Leia mais:  Nova pesquisa Ibope para governador de SP indica Doria com 53% e França com 47%

Na ocasião da visita frustrada a Bolsonaro, Dr. Rey pretendia se oferecer para assumir o Ministério da Saúde. A pasta, no entanto,  deve ser comandada pelo deputado Luiz Henrique Mendetta (DEM-MS).

Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Entretenimento

Polícia Federal

Mais Lidas da Semana