Jovem descobre que cremes de esteroide para tratar eczema pioravam a situação

3

Após parar com o uso dos cremes  de esteroides, Nina Ajdin percebeu uma melhora significativa na pele
Reprodução

Após parar com o uso dos cremes de esteroides, Nina Ajdin percebeu uma melhora significativa na pele

Depois de lutar por dez anos contra um eczema, Nina Ajdin, hoje com 28 anos, finalmente descobriu que o que fez com que sua pele descamasse até formar feridas doloridas e seus cabelos caíssem durante todo o período de sua adolescência foi o uso de cremes de esteroides receitados pelos médicos.

Leia também: Dermatite atópica: muito além de um problema de pele

Quando tinha dez anos, a jovem de Illinois, nos Estados Unidos, recebeu a indicação para usar cremes de esteroides para aliviar seu quadro de eczema. A condição costuma ser caracterizada por manchas avermelhadas, com pequenas bolhas e pode aparecer em diversas partes do corpo, causando consequências graves na qualidade de vida do indivíduo.

No início, os cremes realmente acalmaram as manchas escamosas vermelhas na pele da norte-americana. Porém, ao achar que poderia dar uma pausa no uso dos cremes, aos 17 anos, a situação ficou muito pior.


No início, quando usava os cremes de esteroides, a jovem conta que a pele chegou a apresentar melhora
Reprodução

No início, quando usava os cremes de esteroides, a jovem conta que a pele chegou a apresentar melhora

As manchas avermelhadas do eczema se espalharam para todo o corpo e seu cabelo caiu. Além disso, sua pele começou a emitir um líquido fétido, que a isolou de qualquer interação social. Desde então, ela passou seis anos com reações terríveis, chegando a ficar em estado de coma por até 23 horas.

Em entrevista ao The Sun , ela afirmou que consultou dezenas de médicos, em busca de ajuda, mas nenhum deles lhe deu um diagnóstico preciso. Na verdade, eles apenas diziam para ela manter a medicação a base de esteróides – sem conseguir fazer uma conexão entre os cremes e seus problemas de pele .

“No começo, as erupções diminuíram, mas depois apareceram em outro lugar da minha pele, incluindo meu couro cabeludo. Fui completamente careca quando adolescente e os médicos não sabiam o que havia de errado”, contou.

Leia também: Confira quatro hábitos que você têm diariamente mas só pioram seu eczema

“Parecia que eu tinha queimaduras de terceiro grau do couro cabeludo até as solas dos pés e não conseguia me mexer, andar, comer ou me vestir sem ajuda. Chegou ao ponto que eu senti que preferia estar morta do que lidar com o que eu estava passando”, lembrou a jovem.

Ela também relatou que a parte mais difícil de todo o processo foi a falta de consciência por parte da comunidade médica, que insistia para que ela continuasse usando os esteróides.


Com o passar do tempo, os cremes de esteroides começaram a fazer mal para a pele de Nina
Reprodução

Com o passar do tempo, os cremes de esteroides começaram a fazer mal para a pele de Nina

Foi só quando o pai de Nina encontrou um vídeo na internet falando sobre síndrome de abstinência tópica de esteróides (TSW, na sigla em inglês), há quatro anos, que a ela percebeu que sua situação estava sendo agravada pelo uso dos cremes, e então decidiu parar de usá-los e deixar que os sintomas aparecessem naturalmente.

Agora, finalmente, Nina está começando a levar uma vida normal. Ela está trabalhando com atendimento ao cliente e está se candidatando a programas de graduação em gestão de negócios.

“Finalmente, posso começar a viver uma vida normal. Eu ainda recebo foguetes, mas não tão ruins quanto costumavam ser. Eu sei que em geral meu corpo está se recuperando por dentro e por fora.”

Leia também: “Sienna estava sendo comida viva pela infecção”, diz mãe de menina com herpes

A síndrome da pele vermelha, também conhecida como dependência tópica de esteróides, é uma condição que pode surgir a partir do uso de cremes de esteroides para tratar um problema de pele, como o eczema.

Comentários Facebook